Saturday, November 17, 2012

Sobre a visão monocular



Quando o assunto é enquadrar uma pessoa com visão monocular como deficiente, a polêmica é grande! A maioria dos binoculares não concordam, uma vez que os monoculares estariam "ganhando" alguns benefícios perante a lei. Mas, a verdade é que poucos sabem da dificuldade que um monocular enfrenta. E...convenhamos...ninguém quer saber porque é mais fácil julgar. Sempre vem aquela prerrogativa dos monoculares em relação aos outros deficientes. Mas, nenhum monocular tem a intenção de ser comparada as outras deficiências. Cada um com as suas dificuldades. E, é claro que as outras deficiências tem implicações mais graves no cotidiano da pessoa. Mas, acredito que ninguém tenha coragem de perder um olho para ganhar alguma vantagem do governo. Duvido muito! Até porque duvido que alguém iria querer ser barrado em algum posto de trabalho. Siiiiim! Os monoculares são barrados em alguns postos de trabalho. Além, de não poder possuir alguns "hobbys". 

Implicações da Visão Monocular Adquirida (perda de um olho)
A visão monocular afeta a visão e o indivíduo em diversas maneiras. Há duas conclusões principais que são dirigidas uniformemente e predominantemente pela literatura publicada e pelas autoridades. Os dois déficits preliminares são: perda da visão binocular estereóptica e redução do campo de visão periférico. A maioria dos sintomas da visão monocular é um resultado dessas duas deficiências.
1. Literatura
De acordo com Borrish, a visão monocular em comparação com os resultados binoculares revela uma diminuição de aproximadamente 25% no tamanho do campo de visão. A monocularização também causa uma ausência da estereopsia que deriva da falta da comparação, ou seja, da desigualdade retinal presente em indivíduos binoculares. Os indivíduos monoculares terão diminuída a acuidade visual (comparado a suas contrapartes binoculares) por causa de sua falta da soma binocular. A soma binocular é o fenômeno por que os seres vêem mais e melhor com ambos os olhos junto do que por um olho sozinho. As pessoas monoculares têm uma diminuição em sua orientação (de espaço) que resulta de uma falta das sugestões cinestésicas que se extraem da convergência (“visão binocular que aponta”) e da acomodação (focalizar).
Gunter von Noorden escreve que a visão monocular dá pistas – do paralaxe do movimento, da perspectiva linear, da folha de prova dos contornos, da distribuição dos destaques e das sombras, do tamanho de objetos sabidos e da perspectiva aérea – que podem ser usadas para a orientação espacial. Indica, “a natureza de indícios não estereoscópicos são experimentais e podem ser significativas quando são capazes de ser relacionados à experiências passadas.”
Brady escreve que o problema principal na visão monocular é primeiramente atribuído a uma perda da estereopsia e a uma redução do campo de visão periférico. De acordo com Brady, a perda da visão periférica está entre dez e vinte por cento. Diz o autor que esses problemas se manifestarão como dificuldades que comprometem a coordenação – falta de jeito – gerando a colisão em objetos e/ou pessoas, dificuldade para subir e descer escadas e meio-fios, cruzar ruas, dirigir, praticar os vários esportes e as atividades da vida diária que requerem a estereopsia e a visão periférica. Brady acredita que as pessoas podem desenvolver uma consciência por causa da condição monocular, gerando um prognóstico melhor se ela ocorrer em uma idade mais nova.
Brady expõe interesses e cuidados adicionais para indivíduos monoculares. Um, a necessidade de proteger o olho bom. Dois, a necessidade ter prescrições alternativas na mão. Três, a necessidade de dirigir empregando o DAE (dispositivo automático de entrada) e técnicas tais como espelhos especiais, fazendo a varredura com a cabeça e os olhos, e realçar a atenção. Quatro, as implicações da restauração da estética. E cinco, os interesses para um dispositivo protético.
Schein escreve, “os indivíduos limitados pela perda da visão em um olho têm dificuldades na percepção de profundidade.” “determinar a distância dentro de um metro do olho é extremamente difícil e altamente enganosa.” “além de um metro, outras sugestões de distância podem substituir a perda da desigualdade binocular, desde que os indivíduos monoculares estejam livres para mover suas cabeças, o que permite que obtenham a informação sobre distâncias relativas fazendo exame de mais tempo do que quando as imagens visuais de ambos os olhos podem ser sobrepostas binocularmente.” “Contratempos podem ocorrer quando as pessoas monoculares estão no trânsito pesado, exceto se a cabeça estiver movendo-se constantemente de um lado ao outro para o aumento o campo visual”. Acredita que a reabilitação é mais fácil quanto mais jovem, que uma perda gradual da visão em um olho permite ajustes melhores às circunstâncias do que a perda repentina, e que a reabilitação é mais complicada com uma perda total do que com uma perda parcial da visão. A respeito de dirigir com segurança, Schein cita um estudo por Keeney, e outros, que indica que, “por todo o país, os indivíduos monoculares têm sete vezes mais acidentes do que a população geral com que foram comparados.” Declara Schein, as “atividades mais afetadas são aqueles que requerem o trabalho a uma curta distancia dos olhos (por exemplo barbeiro, esteticista, barman, mecânico, trabalhador da agulha, cirurgião); aqueles que envolvem a operação do veículo (por exemplo piloto da linha aérea, motorista de ônibus, maquinista); e algum trabalho que exige o vigilância visual prolongado (por exemplo controlador de tráfego aéreo).”
http://www.direitodeirevir.com.br/2012/04/implicacoes-da-visao-monocular-adquirida-perda-de-um-olho-2/

Ao se tratar das vedações no mercado de trabalho público e privado, tais cidadãos são proibidos de exercer inúmeras carreiras profissionais: Marinha, Exército, Aeronáutica, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Rodoviária Estadual, Polícia Ferroviária Federal, Polícia Federal, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Judiciária do Senado Federal, Câmara Federal, Assembléias Legislativas e Câmaras Municipais, Segurança Judiciário de Tribunais e particulares, Guarda Municipal, Corpo de Bombeiros, oftalmologista, cirurgião (além de outras profissões médico/científicas) em função do uso de aparelhos profissionais que exigem a visão binocular (nos dois olhos), motorista profissional nas categorias “C”, “D” e “E” e profissões conexas (700% a mais de acidentes de trânsito, permitindo-se apenas a aquisição da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) “A” e “B” – Resolução n°. 267/2008 – Anexo II - CONTRAN), vedação ao trabalho em plataformas petrolíferas, operador de guindaste e máquinas de grande porte, indústrias químicas, laboratórios, comissário de bordo, controlador de vôo, etc.
http://www.caitoquintana.com.br/index.php?pag=noticia&id_noticia=253&id_menu=54&conjunto=&id_usuario=&noticias=&id_loja=&PHPSESSID=b2d7bd4daac0e196ea85313b3505bc9d


Brasil "Olhai" por nós monoculares com os dois olhos... e não com uma venda no rosto...

abaixo-assinado online: 

«APOIO A CLASSIFICAÇÃO DA VISÃO MONOCULAR COMO DEFICIÊNCIA VISUAL» 


http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2013N38348

Thursday, November 15, 2012

Reflexões sobre o tempo

O ano já está acabando? Sim! Se você tem a sensação que o ano passou muito rápido é porque você é feliz! Porque para os infelizes o tempo é longo e danoso... Para mim, quando eu pisco já se passaram alguns momentos. Sim, o tempo é relativo e individual. O tempo incide para todos os mesmos 60 segundos construindo minutos, horas, dias e anos. Mas, este é sentido e vivenciado de maneira única para cada indivíduo. Nossa! Tenho a sensação que meus minutos se passaram muito rápido enquanto estava escrevendo! :)

Sunday, November 11, 2012

Crença da Ilusão - Grupo Raça


Toda minha ira
Tá na crença da ilusão
Tá na dor que eu não plantei
Tá na sua ingratidão
Toda minha ira
Foi porque amei demais
Foi porque sonhei demais
Como dói meu coração
Pensei que era você felicidade
Jurei quando você chegou pra mim
Abri meu coração tão machucado
Pra descofiança de um fim
Quebrei meus preconceitos amorosos
Fui fundo no calor dessa paixão
mas descobri agora que outra vez
Vivi, mais uma doce ilusão
Pena que me dei sem me guardar
Me dói ferir tamanha emoção
Porque negar a dor se está nos olhos
Quem olha dentro de mim me vê chorar
Não dá pra esconder essa tristeza
Meu jeito denuncia meu penar
Eu vou tentar viver um novo sonho
Quem sabe um novo alento em meu viver
Devolva meu sorriso novamente
E cure de repente meu sofrer
Quem sabe assim eu queira novamente
Mais uma aventura em meu viver

Friday, November 02, 2012

Eu não me permito

Eu não me permito chorar
Permito somente a porta fechar

Quando as lágrimas correm
Abrem muitas portas
Quando as lágrimas correm
Não aparecem respostas

Não há consolo ou abrigo
Não há nada além do vazio

Afoga em teu próprio pranto
De nada vale
Notas sem canto
Então, pare!

Por isso, não me permito chorar
Existem motivos que não valem a pena.
Não por isso. Não por você.