Friday, December 26, 2008

Sobre Livros XXVIII

No dia 21 de dezembro eu soube que ganharia um livro de presente de Natal. Só não tinha me dado conta do quão especial esse livro seria. Fiquei durante alguns dias lendo sobre esse livro em sites do gênero aguardando ansiosamente o dia que eu desembrulharia o meu presente. Este dia, finalmente chegou! Ontem, eu abri o meu tão esperado presente. Quando abri percebi que a capa do livro era linda demais, não sei nem como descrever! Era de uma preciosidade...com detalhes...ah! Os detalhes são importantes! Fui abrindo aos poucos, sentindo aquele cheiro de livro novo, tocando suas folhas com a ponta dos dedos para sentir sua textura... Confesso que fiquei anestesiada neste momento, e percebi que nem havia começado a leitura e já estava amando aquele livro. Foi então, que comecei a ler seu prefácio. Nossa! Que belas palavras! Parece que o autor possui intimidade com as palavras, pois escreve de uma maneira encantadora! Eu lia esse livro com sorriso nos lábios, admirando cada frase contida naquele papel. Não conseguia disfarçar o tamanho prazer que eu estava sentindo com a leitura, e eu nem havia começado a ler o primeiro capítulo. Eram somente as palavras iniciais do autor! Ah... Foi o meu melhor presente de Natal! Espero tê-lo comigo para sempre...

Tuesday, December 23, 2008

Eu...

Eu sou aquela garota que sonha demais e que acha que é capaz de realizar suas maiores viagens mentais. Sou aquela que não desiste por sempre acreditar que amanhã tudo vai melhorar, mesmo que sua vida seja um tanto difícil! Sou uma mulher forte e uma menina sensível. Sou uma pessoa que está sempre mudando e não liga nem um pouco para isso. Sou uma bióloga que tem lá as suas frescuras, uma rockeira que dança samba, uma vegetariana que bebe cerveja e uma espírita que acredita nos signos. Eu sou eu! Sou aquela que adora o sol e o calor para sair para passear, mas que ama também a chuva só para namorar. A que adora ir ao teatro com os amigos e trocar figurinhas sobre como foi a peça, principalmente quando ela não pagou nem um centavo por ela! Sou aquela mulher vaidosa que adora ir ao salão de beleza e que não consegue ficar muito tempo sem mudar a cor e o corte de cabelo, simplesmente porque se cansa quando se olha no espelho. Sou aquela garota que acha que só porque colocou uma tiara no cabelo acredita que vai dominar a passarela... e se colocar uma florzinha...nossa! Sou aquela mulher independente, e que adora isso! Sou aquela que não admite quando está sofrendo e chora baixinho num canto, mesmo sabendo que tem vários ombros amigos para enxugar seu pranto. Sou aquela que AMA de paixão todos os gatos e ainda conversa com eles e cisma que eles respondem miando. Aquela que ama qualquer coisinha de gatos e não se cansa de tantos apetrechos felinos. Sou uma mulher que gosta de espaço e que odeia quando tentam controlar sua vida, mas adora uma mensagem: Como você está, minha linda? Sou uma verdadeira inimiga da conta de telefone, mas o que fazer quando se tem uma amizade que te corresponde? Sou aquela que morre de medo de se apaixonar mas não vê a hora de encontrar... Sou aquela que disfarça suas lágrimas num filme romântico dramalhão, mas também adora um filme de pancadaria em que tudo explode no final. Sou aquela mulher que ama demais fazer surpresa e mais ainda ser surpreendida. Aquela que odeia o tédio e tenta sempre inovar! Sou aquela garota que se satisfaz quando coloca uma saia com uma sandalinha bem simples, mas quando coloca um vestido com um salto alto, acha que vai dominar o mundo! Sou uma mulher que ama ganhar flores, principalmente rosas vermelhas. Sou aquela pessoa que tem 3 objetivos na vida e acredita que conseguirá realizar todos eles: Escrever um livro, abrir uma escola espírita e adotar uma criança, não necessariamente nessa mesma ordem! Sou aquela que gosta de conversar mas também sabe a hora de se calar. Sou aquela mulher adulta com muitas ambições e responsabilidades mas também aquela criança que adora brincar com a cara dos outros, jogar Playstation, ver animes, desenho animados, seriados e tudo mais! Sou uma garota que odeia coisas de bolinhas mas está tendo que aprender a gostar porque ganhou do amiguinho uma bolsinha preta de bolinhas! Sou uma típica mulher com uma absurda TPM, e tenho que confessar também o meu absurdo mau-humor matinal. A que fica feliz quando pode acordar lá pelo meio-dia...principalmente se virou a noite até o outro dia! Uma mulher que adora tirar fotos apesar de não ter nenhuma máquina de fotografar! Sou aquela vegetariana com uma alimentação toda certinha mas que não liga para as calorias. Sou aquela pessoa amante dos livros e das escritas, amante das artes como um todo! A que se emociona com uma música, que admira uma escultura, a que se envolve com uma dança! A garota que desenha, que canta, que dança, que ensina, que interpreta, que escreve, que faz tanta coisa que nem acredita! Uma mulher que sabe ser séria e segura de si. Sou aquela que não tem vícios mas, não pode viver sem todinho. Uma pessoa sem a menor mania possível e se descobrir que começou a ter alguma, muda logo tudo! Que adoooora um abraço! Que gosta de um cinema, um show e um barzinho. Que se diverte quando sai para comer pizza com os amigos. Aquela que ouve música clássica mas adora dançar forró apesar de não conhecer nenhuma música de forró. Que ama as crianças de todas as idades, e não vive sem elas! Uma pessoa que adora ler livros... Uma pessoa que adora discutir idéias com os outros, mesmo que cada um tenha uma idéia completamente diferente do outro. Aquela pessoa que ama a biologia e toda a natureza! Aquela que mesmo que fique com raiva de alguém rapidamente esquece disso como se nada tivesse acontecido! Uma pessoa que não consegue odiar ninguém. Sou aquela pessoa nada curiosa, que não tem interesse em "fofocas" da vida alheia. Que ama demais ser professora e acredita que essa é a sua maior vocação! Sou aquela que acha um dos seus trabalhos entediantes mas agradece todos os dias por tê-lo. Sou uma mulher que confessa que adora sair para lugares bonitos e românticos. Que adora um mistério e fantasia demais. Que adora um homem cavalheiro e sedutor! Adora um romantismo mas odeia um pieguismo. Uma pessoa desconfiada por natureza... que teme se entregar... reservada demais... A que assiste ópera e ballet! E acredita que ainda pode voltar a fazer ballet mesmo que já tenha passado da idade. Sou aquela espírita que ama ser espírita e todo o "movimento espírita". E ainda acredita que vai aprender a tocar violão só para compor e gravar um CD espírita. Sou uma mulher extremamente romântica...que fica ensaiando como dizer eu te amo para as pessoas especiais da sua vida, mas no final das contas, tudo que consegue fazer é escrever: EU TE AMO! Uma pessoa que acredita no amor, apesar de tudo...
Sou aquela que tem essa necessidade insana de escrever e escrever, sempre!
Sou aquela pessoa que dá valor a tudo que conseguiu na vida! Que valoriza todos os seu amigos e a si mesma! Sempre!

Monday, December 22, 2008

Escritas...

Você escreveu sobre nós
e tudo que consigo fazer
é imaginá-lo falando palavra por palavra
sussurrando baixinho...
Não quero escrever versos, nem poesias
Não quero rimar, nem escrever estrofes
Você já fez isso para mim...
Quero apenas dizer
Me espere voltar...

Para mim...

Na hora que a conheci
Nem passou na minha cabeça
Não pensei que ia dizer
"Só espero que não me esqueça"

Não sabia que combinava
Que tinha tanto em comum
Gatos, gostos, desejos...
Não há como ser só mais um

E que nem um bobo escrevo
Não pensei em sentir isso
1 hora de conversa
4 anos no paraíso

Essa é toda a diferença
Que faz a gente não estar junto?
Volto no tempo e faço milagre!
Pra nascermos os dois juntos

E o talvez que ela me disse
Não me deixa descansar
Durma bem, Dani, meu anjo.
Só espero você voltar

Law

Sunday, December 21, 2008

Sobre Livros XXVII

Preciso finalizar um livro, mesmo que ele não esteja em seu último capítulo. A história se encontra repetitiva demais, além de seu conteúdo um tanto limitado! Enfim, vou tentar não pegar mais nesse livro. Por que digo que vou tentar? Pelo simples fato de que eu posso ter recaídas... sabe como é né? Nem sempre dispomos de boa leitura então, acabamos por ler aquele mais fácil mesmo...

Thursday, December 04, 2008

Sobre Livros XXVI

Sabe aqueles resumos de livros que você pega na livraria? Pois é...ontem peguei um... É engraçado ler esses resumos! Porque a intenção de quando pegamos para lê-los é para ver se interessa ou não, para depois comprarmos, se for o caso. O que acontece é que na maioria das vezes não compramos! E, convenhamos....não tem como julgar se o livro será bom ou não com um pequeno resumo daqueles! Então, ficamos na memória somente aquele pequeno resumo... Quem sabe eu não leio mais???

Monday, December 01, 2008

Óperas e nada mais!

Gostaria de escrever um pouco sobre as três óperas que mais gosto. Primeiro a minha preferida... Carmen! Adoro as árias e toda a sua história. Acredito que toda mulher gostaria de um dia ser a Carmen, com toda a sua sedução e paixão! Não posso esquecer da minha ária preferida... “Habanera” com sua letra fantástica! E, cantada por Maria Callas fica melhor ainda! Ah, e adoro também quando ela canta “Chanson et Mélodrane” com o seu tra la la... Carmen é sensacional, fala sobre o amor, a paixão o ódio e a traição... ou seja, bem intenso!Outra ópera que amo demais apesar de não ter nada a ver com a Carmen, já que é um tanto infantil... Die Zauberflöte. A Flauta Mágica de Mozart...Ah.... A história é muito linda, e amo toooodas a árias! Apesar de ser cantada em alemão, que não gosto muito, diferente de Carmen que é cantada em francês na qual eu considero a língua mais linda e charmosa do mundo. Mas, até que o alemão não ficou ruim nesta linda ópera de Wolfgang Amadeus Mozart. Não existe uma sequer música ruim de Mozart, acredito que por pior pianista que alguém seja, se tocar alguma música de Mozart ficaria bom! Porque como disse, todas são tão belas que nem o pianista conseguiria deixá-las ruim!!! Principalmente a minha amada sonata K 281 que não me canso de ouvir. Mas, voltando para a Flauta Mágica, como o nome diz, é uma ópera mágica e envolvente. Simples e linda! O personagem que mais amo é o Papageno, e a ária mais linda...ah....difícil escolher....fico com duas... “Der Hölle Rache kocht in meinem Herzen”, ou seja, a ária da Dama da noite e a ária “Pa-Pa- Pa-Pa- Pa-Pa-Papagena!” que é linda demais! Papageno canta essa música quando ele finalmente encontra a sua Papagena, acreditando que não a veria mais...Bom, por último... Pagliacci... A ópera do palhaço de Puccini! É bem curtinha essa ópera, quase que uma opereta! Mas as árias são fantásticas também, e a história intrigante com o final bem trágico como uma “boa ópera”, mas não me cabe aqui dizer o final, senão perde a graça! Também fala de amor, mas principalmente sobre traição e desejo! A ária que mais gosto é aquela em que o palhaço canta em frente a um espelho, dizendo que ele é um palhaço e que deve fazer as pessoas rirem, o nome é Recitar! ... Vesti la giubba .Enquanto ele canta, ele chora, e chora... e ainda dá um risada sarcástica! É cantada em italiano o que deixa as árias bem interessantes para os ouvidos, rsrs... Italiano é um língua também belíssima! Tem uma ária também linda que a Colombina canta...mas não me recordo o nome!Enfim, eis aqui as minhas óperas preferidas...Mas amo também La Bohème, La Traviata, Turandot, Don Giovanni, Manon Lescaut, Otello, (risos).

Precisava escrever...

Escrever, escrever, escrever....eis aqui a minha terapia nas horas que preciso. Nos momentos exatos de minhas aflições, angústia, felicidade, amor, enfim, qualquer sentimento que queira ser extravasado por mim, de alguma forma. O mais interessante da escrita, é que na maioria das vezes esta pode ser feita em qualquer lugar. Bom, tudo bem que precisamos de papel e caneta, mas na maioria das vezes eu as tenho em minha bolsa, e como eu passo boa parte do meu tempo em frente a uma tela de computador, então qualquer pequeno documento de editor de texto já é capaz de suprir esta minha grande vontade de simplesmente escrever. Nem que seja apenas palavras soltas ou repetição das mesmas, como agora...várias linhas para justificar a escrita. Para alguns, a angústia pode ser diminuída com um exercício, ou com comida, doces, sei lá, algumas pessoas gritam ou xingam alguém, principalmente aquele que te deixou assim, angustiado ou com raiva, mas eu não! Não sou do tipo que briga ou xinga. Até porquê...nem sempre a gente pode fazer isso, mas eu tenho esse tipo de atitude porque acho melhor, digamos que mais civilizado!!! Acredito que nunca, mas nunca vale a pena uma discussão (exceto a discussão por escrito, rsrs, brincadeira). Enfim, até agora não disse aonde quero chegar... Porque parece que nada faz sentido com nada. É porque hoje, neste exato momento estou angustiada! Esse sentimento existe dentro de mim pelo fato de conviver com uma pessoa não civilizada, se é posso dizer assim! Acho que em algum momento eu postei nesse blog que não gosto que me acusem de algo que não fiz, que não faço ou que não seja da minha índole! E, novamente isso me aconteceu, estou começando a pensar que isso tem alguma referência passada (vidas passadas) porque é bem freqüente me ocorrer fatos do tipo!!! Mas não estou aqui para ficar reclamando da vida! Ao mesmo tempo não posso negar a minha vontade de desabafar perante a situação com que eu estou passando. Mas, tudo passa... Já passei por coisas infinitamente piores! Eu não considero isso nem uma fase da minha vida, apenas um contratempo! Uma coisa na qual eu tenho que lidar! E, as palavras vão se soltando, as frases vão aumentando, e a minha angústia vai diminuindo...como disse, uma ótima terapia! Ler também é uma boa terapia, mas nem sempre você tem algo para ler, agora escrever.... mesmo que eu não tenha aonde rabiscar, as palavras aparecem em minha mente, vão se construindo, tomando forma e começo a me imaginar escrevendo certas coisas. Algumas vezes, tento me recordar das palavras e escreve-las depois, mas confesso que elas acabam se perdendo nessa infinita dança das palavras que surgem em minha cabeça. Bom, o que importa é que eu já escrevi bastante, e é tudo que eu queria, ou melhor, tudo o que eu precisava para um dia turbulento como este.

Friday, November 07, 2008

Sobre Livros XXV

Ontem foi uma noite longa com muita leitura. Peguei novamente um livro que havia lido faz um tempinho, a fim de desfrutar de sua leitura novamente. Um capítulo bastante agradável, na qual fazendo uma analogia, tinha gosto, cheiro, calor e os traços de vinho tinto. Continuando com a nossa analogia, foi um capítulo com um paladar agradabilíssimo, bem quente, encorpado, com um toque de embriaguez. Enfim, uma leitura bem agradável numa madrugada de quinta-feira...

Thursday, October 30, 2008

Músicas da minha vida

Esse post é uma tentativa de relembrar as diversas músicas que fizeram parte da minha vida. Cada música aqui lembra alguém ou algum momento que marcou a minha alma. As pessoas que aqui me refiro ou que deixei de referir não se tratam de melhores nem piores que ninguém, simplesmente a música estava lá, naquele momento com aquela pessoa. Eu não escolhi uma música para cada pessoa, mas sim a música que escolheu cada um. Foram certos momentos...quando me dei conta...estava uma música de fundo...e todas as vezes (sem exceção) quando a ouço, lembro de uma pessoa ou de um momento...bom ou ruim...não importa.


Música: Gerânio
A formatura já estava perto e eu não tinha escolhido uma música para mim. Pedi para o meu melhor amigo escolher uma música para mim, e que...lógico...fosse bem a “minha cara”. Então ele veio com essa música...dizendo que essa era eu...Simplesmente amei...
Esta música foi tocada na cerimônia da minha formatura quando fui receber o diploma. Então ela me lembra esse meu amigo e a formatura!




Música: You've Got A Friend
Uhm... sempre gostei dessa música. No dia do aniversário do meu melhor amigo, no ano passado, comprei um cartão daqueles de aniversário gigante e escrevi-lhe uma dedicatória e uma música. Eu escolhi essa música, por causa de sua letra belíssima sobre amizade. Por tudo que eu gostaria de dizer à ele e mais um pouco. Na verdade, a idéia era cantar para ele, mas eu fiquei com vergonha, e entreguei só o cartão mesmo. Agora, quando toca essa música eu lembro dele, sempre. Mas, principalmente da nossa amizade!




Música: Love Theme (Cinema Paradiso)
Esta música me lembra uma pequena ilusão amorosa passageira. Foi num momento da minha vida em que eu estava carente por causa da minha “decepção amorosa”. Mas foi bom, era como se eu tivesse quinze anos namorando pela primeira vez! Era como se o tempo tivesse retrocedido para uma época de juventude onde a gente acha tudo bonitinho o que o outro faz ou fala! E ainda fingimos que somos “gente grande” e que entendemos tudo sobre o amor. Bom, hoje sou “gente grande” e continuo não entendendo nada sobre o amor, talvez seja essa a diferença... Admitir que somos completamente leigos sobre esse sentimento!
Bom, não era bem essa música que estava tocando, mas sim um filme (considerado um dos melhores filmes da minha vida) que tocava essa música na qual eu assisti com esta pessoa. Quando ouço essa música, lembro de momentos que passei com esta pessoa e o quanto eu “viajei em ilusões”! Apesar disso, eu gosto de relembrar do quanto eu viajei...Por quê? Acho que esse “flashback 15 anos” eu nunca mais vou ter... E, quem não gosta de relembrar tal ingenuidade juvenil?



Música: The Blower's Daughter

Essa canção me lembra a minha primeira decepção amorosa. Lembro-me de uma pessoa, de um lugar e de uma infinita angústia que me dominava neste momento. Eu particularmente gosto dessa música, mas não gosto mais de ouvi-la por causa dessas lembranças que ela me traz. Cada minuto dessa música me faz ter um mini “flashback” de vários momentos que tive com essa pessoa...Várias brigas...Brigas, e mais brigas, mas também risos! E, quando a canção acaba, eu sinto como se ainda faltasse alguma coisa...não sei exatamente o que...talvez alguma palavra que não tenha sido dita...minha ou dele, não sei...mas sei que nunca será dita...
Tem horas que as baladas dessa música me faz ter vontade de chorar,
Outras vezes, de gritar para desabafar,
Outras vezes, simplesmente de vê-lo,
Mas, na maioria das vezes, me deixa triste...apenas.



Música: Pra não dizer que não falei de flores
Essa música é especial! Quando ouço essa música lembro de minha irmã. Lembro de um dia que disse a ela que gostava de uma música que eu não sabia de quem era e nem o nome... fui cantando algumas poucas partes da música...E ela me disse com toda aquela “arrogância de historiador”: Como você não sabe que música é essa? E, me deu a tal música e, ainda me fez ouvir por horas a história sobre a música e tudo que ela representa. Tudo bem que eu não lembro nem metade do que ela falou, mas valeu a tentativa, né? Boa recordação! Aliás, foi difícil lembrar novamente do TAL NOME DA MÚSICA! rsrsrs. Ah, mas eu gosto dessa música, isso é o que importa!!! A letra dessa música é muito reflexiva... e essas imagens do vídeo são bem marcantes...




Música: Como Eu Quero
Essa música......... bom, ela não tocou em nenhum momento especial, mas eu dizia sempre para um ex-namorado que era a nossa música por causa da letra que parecia a “nossa cara”, então sempre me lembro dessa pessoa quando essa música toca. Um relacionamento que durou oito anos de minha vida, e que foi embora... só ficou a música e as lembranças, nada mais.
Quando a ouço tenho boas lembranças, na verdade tenho recordações engraçadas! São lembranças nas quais eu não tenho vontade de revivê-las... são somente lembranças de uma parte da minha vida...



Música: Pais e filhos
Foi no meu aniversário de 15 anos e que por sinal, foi um fracasso! Eu não queria festa, nem nada que pudesse comemorar, digamos que não foi uma boa época da minha vida! Mas, meu pai decidiu me levar para almoçar assim mesmo. Lembro-me que tinha um homem tocando diversas músicas e meu pai pediu para ele tocar uma música para mim, já que era meu aniversário. E, foi essa música que ele pediu... Foi uma das poucas demonstrações de afeto por parte dele então, essa música mereceu não ser esquecida.




Música: Você é linda
Ah, essa música me lembra um garoto que conheci na minha adolescência, eu tinha apenas 14 anos, e ele escreveu essa música numa folha de papel e me deu. Foi a primeira vez que um garoto tinha se declarado para mim, e eu achei um máximo! Lembro-me da super hiper mega vergonha que senti na hora! Bons momentos...


Saturday, October 04, 2008

Sobre Livros XXIV

Estava apenas observando alguns livros na biblioteca, até que de repente um livro caiu no chão, eu devo ter esbarrado em alguma coisa, não sei...quando fui colocá-lo de volta na prateleira eu me dei conta de que estava segurando um livro na qual eu já tinha tido contato, ou seja, já li algumas de suas páginas. Se trata de um livro em que na época me atraiu muito, porém li apenas um capítulo! Depois, quando tentei ler mais capítulos percebi que haviam páginas em branco então, larguei o livro de lado. Mas, quando ele se deparou novamente em minhas mãos, abri o livro ao acaso, e me deparei com o capítulo IX. O que eu fiz? Não resisti, puxei uma cadeira e comecei a ler esse capítulo. Se trata de um capítulo descontraído e interessante, digamos até que foi um tanto empolgante, porém sem ilusões. Quando eu passar na biblioteca novamente, talvez eu o pegue para ler novamente (isso se estiver na mesma prateleira), quem sabe...
A verdade é que ultimamente tenho curtido ler livros sem compromisso para apenas me distrair e conhecer novas literaturas...

Friday, September 26, 2008

Clarice Lispector

Escrevo porque encontro nisso um prazer que não consigo traduzir. Não sou pretensiosa. Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando, às vezes chorando"...

"Eu escrevo como se fosse para salvar a vida de alguém. Provavelmente minha própria vida."

"Enquanto eu tiver perguntas e não houver respostas... continuarei a escrever"


"Escrevo por não ter nada a fazer no mundo: sobrei e não há lugar para mim na terra dos homens. Escrevo porque sou um desesperado e estou cansado, não suporto mais a rotina de me ser e se não fosse sempre a novidade que é escrever, eu me morreria simbolicamente todos os dias"

Sobre Livros XXIII

Ontem à noite, li um novo livro! Percebi que ultimamente estou tendo mais condições de alugar livros, apesar da minha falta de tempo... Mas, para ler um livro, sempre arrumamos um tempinho, não é mesmo? Mesmo que tenhamos que ler rapidinho entre um atividade ou outra do dia-a-dia, simplesmente para desfrutar um pouco de prazer em uma leitura. Bom, ontem não foi diferente! Lepidamente, fui à biblioteca e li algumas páginas desse livro, nem levei para casa, li na biblioteca mesmo. Depois eu o coloquei de volta na prateleira mas anotei o número da estante e do livro em uma pequena folha de papel para não esquecer a fim de poder voltar lá em uma outra hora sem perder muito tempo em procurar novamente a sua referência naqueles armários gigantes. Enfim, foi interessante curtir um pouco uma leitura descompromissada! Vou guardar o papelzinho!

Monday, September 22, 2008

PRECE DA GRATIDÃO

Senhor, eu gostaria de dizer-te
que amo a vida,
que para mim é bela e consentida.
Muito obrigado Senhor,
pelo que me deste, pelo que me dás.
Obrigado pelo ar, pelo pão, pela paz.
Muito obrigado pela beleza
que os meus olhos vêem
no altar da natureza...
Olhos que fitam o céu, a terra e o mar...
que acompanham a ave que corre
faceira pelo céu de anil...
Que se detém na terra verde
salpicada de flores em tonalidades mil...
Muito obrigado Senhor,
porque eu posso ver meu amor.
Mas, diante da minha visão
eu detecto os cegos que se debatem na escuridão
que andam na solidão, que tropeçam na multidão...
por eles eu oro e a ti eu imploro com miseração
porque eu sei que depois desta lida,
na outra vida, eles também enxergarão.

Muito obrigado pelos ouvidos meus,
Ouvidos que ouvem o tamborilar
da chuva no telheiro, a melodia do vento
nos ramos do salgueiro
e as lágrimas que vertem nos olhos do mundo inteiro...
Ouvidos que ouvem a música do povo
que desce do morro na praça a cantar...
a melodia dos imortais
que a gente ouve uma vez
e não esquece nunca mais!
A voz melodiosa e a voz melancólica do boiadeiro
e a dor que geme,
que chora no coração do mundo inteiro.
Pela minha faculdade de ouvir,
pelos surdos eu te quero pedir.
Eu sei que depois desta dor,
no teu Reino de Amor eles também ouvirão.

Muito obrigado Senhor pela minha voz,
mas também pela sua voz,
pela voz que ama, que canta, que evangeliza,
que ilumina, que alfabetiza,
pela voz que salteia uma canção,
pela voz que teu nome profere.
Por sentir emoção, pela minha alegria de falar.
Pelos mudos eu te quero rogar,
por aqueles que sofrem de afazia,
que não falam de noite, que não cantam de dia.
Oro por eles, eu sei que depois desta prova,
na vida nova eles cantarão.

Obrigado pelas minhas mãos,
mas também pelas mãos que amam,
que semeiam, mãos que agasalham,
mãos de ternura que libertam da amargura,
mãos que apertam mãos,
mãos de caridade, de solidariedade,
mãos dos ateus que limpam feridas,
que enxugam lágrimas e suores das vidas,
pelas mãos de psicografias,
mãos de poesias, mãos de cirurgias,
mãos de sinfonias,
pelas mãos que atendem a velhice a dor e o desamor,
pelas mãos que no seio embalam
o corpo de um filho alheio sem receio
e pelos pés que me levam a andar sem reclamar,
pela minha faculdade de caminhar,
pelo meu corpo perfeito eu te quero louvar,
porque eu vejo na terra
infelizes, aleijados, amputados, marcados, deformados, paralisados
e eu posso bailar.
Rogo por eles, eu sei que depois desta expiação,
na outra reencarnação eles também bailarão.

Obrigado por fim, pelo meu lar,
é tão maravilhoso Senhor ter um lar,
não é importante se este lar é uma mansão
ou uma tapera,
um gramado de dor ou um bangalô,
um ninho, seja lá o que for, uma casa no caminho,
mas que dentro dela exista a figura do amor,
do amor de mãe ou de pai, de filho ou de irmão,
de mulher ou de marido, de um amigo,
alguém que nos dê a mão,
pelo menos a companhia de um cão,
porque é triste viver na solidão...
mas se eu a ninguém tiver para me amar,
nem um teto para me agasalhar,
nem alguém para me amparar,
nem aí blasfemerei, porque eu tenho a ti,
nem reclamarei,
porque nasci.

Muito obrigado, por fim, pelo teu Amor.
Muito obrigado Senhor.


Amélia Rodrigues-espírito
Psicografia de Divaldo Pereira Franco

Sunday, September 14, 2008

Sobre Livros XXII

Há tempos estava com vontade de ler um livro... sem exigências...afinal de contas, todo bom leitor sabe o quão difícil é, encontrar um bom livro! Ainda mais, porque não tem como sabermos se o livro é bom ou não só pela capa e, mesmo que um amigo lhe faça propaganda de um determinado livro, ainda sim, não tem como sabermos se é bom ou não, afinal de contas, cada leitor tem as suas prefêrencias e críticas sobre um determinado livro. Enfim, naquela noite, eu queria ler um livro para me descontrair, então resolvi ir à biblioteca. Estava ansiosa para encontrar um determinado livro porém não sabia se conseguiria alugá-lo. Andando em direção a tal biblioteca, vi um barraquinha de livros, dessas que ficam pela rua com livrinhos pequenos e de leitura fácil. Como disse, eu queria muito ler um livro, então não hesitei, comprei o livrinho e fui lendo pelo caminho. Como disse, era apenas um livreto, com palavras fáceis porém engraçadinho. Aliás, não sei se consigo avaliar este livrinho, porque a minha vontade era tanta de ler que não consigo pensar "racionalmente" sobre a qualidade de sua leitura. Ao chegar na biblioteca, ainda estava lendo o livreto, e encontrei o outro livro. O que eu fiz? Deixei de lado imediatamente o livreto e peguei esse outro livro na biblioteca. Sentei calmamente em alguma cadeira e li algumas de suas páginas... Na verdade, esse livro eu já conhecia, ou seja, faz tempo que eu o vejo nas estantes de bibliotecas e livrarias porém nunca comprei nem aluguei. Até ontem... o que eu posso dizer desse livro? uhm... Digamos que a sua leitura me surpreendeu bastante! Como disse, sempre o vi nas estantes, mas eu o pré-julgava. Erro meu... gostei de sua leitura e, espero poder continuar lendo... pelo menos mais alguns capítulos...

Tuesday, September 09, 2008

O que eu quero


O que eu quero?

... Encontrar um amor no caminho
Seguido de um olhar mais ousado
Com um sorriso bem pertinho
Depois um beijo molhado

O que eu quero?

... Esbarrar na paixão
Tropeçar com intenção
Sem pedir perdão
Largando a razão

O que eu quero?

... Andar nessa estrada
Descobrir seus atalhos
Conhecer cada lado
Construir minha morada.

Monday, September 08, 2008

Sonhos e sonhos

Em meus sonhos, estarei nos sonhos de outrem...

Monday, September 01, 2008

Sapos nunca serão Príncipes

A maioria das mulheres esperam um príncipe encantado... e quando não encontram, se contentam com um sapo, contudo, procuram transformá-lo em um príncipe encantado! Doce ilusão...Obviamente que será em vão...Não me excluo disso, pois por experiência própria anos atrás peguei um sapo para mim e, tive esta mesma intenção...Por conta dessa ilusão perdida, eu o deixei lá no brejo onde ele sempre gostou de ficar! Eu nunca deveria tê-lo forçado a sair de lá já que é o seu habitat natural. Afinal de contas, "sapos sempre serão sapos", ou seja, não devemos tentar enxergar o que não existe. Hoje não me iludo mais em encontrar príncipes encantados...mas também não quero sapos!


Será que é exigência demais de uma garota?

Friday, August 22, 2008

BALLET GISELLE

Este é o meu ballet preferido na qual não me canso de assistir....É o ballet mais romântico dentre todos!

Apesar da música não ser tão conhecida eu particularmente adoro, principalmente a do padedê de Giselle com o Albrecht.
Giselle é o Ballet de Kirov e, teve a sua estréia em 1983 no Teatro de Leningrado.
O poeta romântico Théophile Gautier é o autor do roteiro desse balé.
****
História

Ato I - Alemanha
Um quente raio de sol abre o dia. É época da vindima. Num canto, meio escondida entre a vegetação, encontra-se uma cabana de camponês humilde e simples. Ao longe, em cima do rochedo, vê-se uma destas habitações feudais, onde o Duque Albrecht, lá do alto, viu passar uma doce e charmosa criatura. É Giselle, filha de Berthe. Albrecht, apaixonado, veste-se de vindimador e vai morar em frente da cabana de Giselle. Esta acredita ser ele apenas um rapaz da vila chamado Loys e apaixona-se por ele.
É de manhã e os camponeses partem para a vindima. Entra em cena Hilarion, o jovem guarda-caças da vila, que também está loucamente apaixonado por Giselle. Ele se dirige à casa dela e encontra Berthe. O jovem Duque sai de sua cabana acompanhado de seu criado Wilfrid, que insiste para que Albrecht (Loys) não prossiga com este namoro, mas ele persiste, pois está encantado e ordena a seu criado para deixá-lo.
Loys aproxima-se da cabana de Giselle, bate na porta e se esconde. A porta se abre. É Giselle quem sai, ágil e alegre como todos os corações puros. Ela vai dançar, pois não dança desde ontem. Eles se encontram, mas Hilarion interrompe o idílio de Giselle, lembrando seu amor por ela. Mas Giselle, apaixonada por Loys, repele Hilarion e, juntando-se alegremente às suas amigas e companheiros, comemoram o fim da colheita das uvas.
Berthe, sua mãe, sai a sua procura. Ao vê-la adverte, pois Giselle é frágil do coração. A fadiga, as emoções lhe serão fatais: “Você acabará morrendo e irá se transformar em uma Willi, e irá ao baile mágico onde levará os viajantes na ronda fatal. Você será uma vampira da dança”.
Assim, Giselle é forçada a entrar na cabana. Soam as trompas de caça e Wilfrid aparece para avisar seu senhor que um grupo de nobres se aproxima. Hilarion observa, e na primeira oportunidade, entra na cabana e Loys. A fim de desvendar o mistério que o cerca. O grupo de caça chega, junto com o príncipe e sua filha Bathilde, noiva de Albrecht (Loys).
O calor do dia os incomoda e procuram aquele lugar para descansar. Bathilde se encanta com a dança de Giselle e descobrindo que ela está comprometida e apaixonada, dá-lhe um colar de presente. Eles se retiram e o Príncipe ordena que deixem uma trompa para chamá-los em caso de necessidade. Isso faz com que Hilarion compare os brasões da trompa com os da espada de Loys.
Finalmente, tendo em mãos a oportunidade de desmascarar Loys, Hilarion espera o momento em que todos estão presentes e conta toda a verdade. Giselle não acredita. Hilarion, então, toca a trompa e aparece o Príncipe acompanhado de Bathilde.
Loys (Albrecht) fica perplexo e confuso, mas quando Bathilde declara que Albrecht é seu noivo, o choque tira a razão de Giselle. Uma sombra de delírio a invade. É a loucura. Giselle, por um momento, revive seu amor por Loys, mas a dor é grande e tomando a espada, crava-a em seu corpo.

Ato II - Willis
Soa meia-noite sob a terra fria da floresta. Lugar sinistro, de árvores com troncos torcidos e entrelaçados, que possui uma atmosfera de suspiros e lágrimas. É o lugar onde se passa o baile mágico das Willis. Elas são os espíritos das jovens que foram enganadas e morreram antes do dia do seu casamento. Elas se reúnem ali e obrigam jovens rapazes a dançar até a morte.
É meia noite, hora lúgubre, e Hilarion está de vigília na sepultura de Giselle. Surge uma sombra transparente e pálida. É Mirtha, a rainha das Willis. Ela evoca forças e com um galho de alecrim toca todos os cantos, fazendo surgir outras Willis, que se agrupam graciosamente em torno dela.
Neste momento, elas tiram Giselle de sua sepultura para iniciá-la em seus ritos. Ela dança com suas graciosas irmãs, mas um barulho ao longe faz com que todas Willis se dispersem e escondam no bosque. É Albrecht, que chega trazendo flores.
Giselle surge para ele. O seu amor por ele ainda vive... Albrecht tenta pegá-la, mas ela desaparece... Ele sai a sua procura... Neste momento, Hilarion é pego pelas Willis. Mirtha, a rainha, ordena-o a dançar até a exaustão, fazendo-o cair nas profundezas do lago.
As Willis começam então uma orgia alegre, dirigida por sua rainha triunfante, quando uma delas descobre Albrecht e o traz para o círculo mágico. Mas no momento em que Mirtha vai tocá-lo, Giselle se lança na frente de Albrecht, protegendo-o.
Giselle leva-o à proteção da cruz em seu túmulo, mas Mirtha usa seu poder sobre Giselle para forçá-la a dançar. Albrecht não suporta e abandona a cruz que o preservava da morte e aproxima-se de Giselle. Eles dançam até que Albrecht cai de exaustão. Mas neste momento surge a aurora, quebrando o poder das Willis. O amor de Giselle por Albrecht o salva.

Ps. É um dos poucos balés dessa tradição que ainda é apresentado nos palcos, dançado em tutu romantico (saias de bailarina na altura da panturilha).
Ps2. Willi é uma lenda eslava. Este fantasma não é uma ninfa, nem elfo, nem outro ser da floresta ou das águas, mas uma alma traída que vem atormentar o amado, forçando-o a dançar até a morte, para, através deste gesto, encontrar sua própria paz.
Ps3. Mais uma vez digo que esse é o meu ballet preferido... The Best!


Saturday, July 26, 2008

Sobre Livros XXII

Peguei um novo livro para ler... Um bem curtinho e bonitinho! Uma gracinha!!!! Fui na livraria do metrô com o intuito de encontrar um livro para me descontrair e acabei o encontrando numa prateleira bem acessível. Aliás, descobri que a livraria do metrô possui bons exemplares, talvez eu passe por lá novamente! Quem sabe eu não encontro um livro com um conteúdo mais profundo...com histórias mais longas e complexas? Tenho que procurar com calma. No final das contas eu concluí a seguinte coisa: - Nunca subestime uma livraria! :)

Friday, July 18, 2008

Sobre Livros XXI

Certo dia, me dei conta que estava desejando ler um livro que vi na estante. Mas, não era a minha estante! Isso é um tanto frustante. Fiquei olhando, imaginando, querendo... não podendo. Afinal de contas, o livro não é meu e, nem sei se pode ser meu. Este livro parece ser muito interessante e demonstra muita beleza. Além de ser um livro simples... um estilo que eu gosto tanto... Digamos que ele seria uma espécie de "livro proibido", já que eu não posso lê-lo.
Por que eu sempre quero ler livros nas quais eu não posso ou não consigo ter???
Acho que a minha vida pode ser comparada à uma livraria num dia de grande liquidação! Quando esta loja coloca a placa "open", todos correm à procura do seu livro "ideal"! E, passam por cima de mim conseguindo pegar os melhores livros. E, eu não...Quando me dou conta...já são 5 da tarde, e eu não consegui o meu livro. Sobraram apenas aqueles livros sem conteúdo com histórias bobas e sem sentido. Não faço questão de lê-los então, minha cestinha continua vazia. Até encontro bons livros, porém são caros demais, e não consigo comprá-los nem a prestação. Aliás não consigo nem chegar perto deles para ler a contracapa, já que ficam numa estante bem alta e com várias pessoas com perfeitas condições de adquirí-los.
E, eu continuo querendo aquele livro que não é meu...A loja está prestes a fechar... eu ainda não consegui achar...nem comprar...o meu livro...

Monday, July 14, 2008

Águas rasas

Uma pequena lagoa de águas rasas
Limitada e turva,
Secando pouco a pouco
Esperando o deságüe do mar
A vida está se extinguindo
A água não se movimenta mais
A beleza está imergindo
E, a esperança ficando para trás
Águas rasas... apenas


Friday, July 04, 2008

Pensamentos...


Sorri quando a dor te torturar
E a saudade atormentar
Os teus dias tristonhos vazios

Sorri quando tudo terminar
Quando nada mais restar
Do teu sonho encantador

Sorri quando o sol perder a luz
E sentires uma cruz
Nos teus ombros cansados doloridos

Sorri vai mentindo a sua dor
E ao notar que tu sorris
Todo mundo irá supor
Que és feliz




Charles Chaplin

Sunday, June 29, 2008

O amor existe


Não me diga que o amor não existe... Pois eu não vou acreditar!
Ajude-me a encontrá-lo, tenho certeza que ele está em algum lugar.


Quem sabe Deus não escondeu o meu amor nas profundezas do mar?
Mas, eu não sei mergulhar...



Quem sabe ele não está nas mais belas nuvens?
Mas, eu não posso voar...



Ou talvez eu tenha que atravessar o imenso oceano.
(...) eu não sei nadar...



Poderá estar na colina mais alta?
(...) não sei se consigo alcançar...



Será que ele está nas infinitas estrelas?
Mas, como faço para chegar até lá?



Deus, eu preciso desse amor, apesar de ainda não conhecer esse sentimento eu creio em sua existência.



Já ouvi falar sobre ele entre suspiros,
Já o vi em bocas de amantes apaixonados,
Já o li de poetas enamorados,
Já até sonhei com um beijo adocicado...



Eu só preciso encontrar o meu amor...Ele está guardado, eu tenho certeza que sim...por favor, diga-me que sim...


Saturday, June 28, 2008

Som das estrelas


Desejo ouvir as estrelas e de entendê-las no íntimo de sua essência. Mas, não consigo! Abro a janela todas as noites e tudo que ouço é o som mudo da solidão...
Olavo Bilac tem razão...


“Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender as estrelas”.

Sunday, June 15, 2008

Imaginação

A mente do ser humano é uma profusão de idéias inimagináveis. Nós idealizamos, desejamos, fantasiamos e projetamos insaciavelmente. Por que? Acredito que nem a psicologia é capaz de responder com decisiva certeza. O meu palpite seria a tal da “carência” que todos nós possuímos no íntimo de nossa alma. Carecemos sempre de algo! Seja de amor ou amizade... ou daquela vida que projetamos, mas não conseguimos realizar. Por causa da carência criamos um mundo que não existe... Talvez nunca existirá. Transformamos os nossos sonhos em loucuras inalcançáveis. Todos nós já fantasiamos um pouco, mas conhecemos apenas as nossas, não fazemos a menor idéia de como podemos fazer parte da imaginação alheia. Nunca me dei conta disso, até hoje... Confesso que é um pouco assustador. Tem horas que não nos damos conta do quanto insanos estamos sendo. Enfim, a ilusão faz parte do nosso subconsciente... sendo que, para outros está no próprio consciente! A realidade para alguns sufoca e, essa ilusão seria aquele breve suspiro... um pequeno alivio.

Sunday, June 08, 2008

Professor

Nós professores temos uma característica em comum, somos controladores ao extremo. Quando subimos no tablado adotamos essa postura irreversível. Não admitimos um resquício sequer de descontrole de nossa parte, seja por evitar transparecer não saber tanto aquela matéria, ou por não poder permitir qualquer bagunça dos alunos. Essa sensação de controle que sentimos ajuda a sermos bons profissionais, afinal de contas, os alunos respeitam apenas aqueles professores que adotam essa postura e os diretores preferem professores que conseguem manter os alunos no “laço”. Gostamos de controlar tudo na sala de aula! Desde um silêncio absoluto na hora da explicação até a decisão da nota vermelha daquele aluno que não nos simpatizamos. Ficamos loucos quando este controle foge de nossas mãos por pequenos segundos, talvez o que sentimos seria medo, mas independente disso um professor gosta e precisa ter e demonstrar controle. Todavia, quando saímos da escola confundimos a sala de aula com as nossas vidas. Por hábito, passamos a querer controlar tudo, inclusive os nossos sentimentos, que por analogia, seria uma sala de aula de uma escola pública com 60 alunos na faixa etária de 16 anos onde todos são repetentes e rebeldes e... odeiam a sua matéria, ou seja, praticamente impossível de controlar. Conseqüências? Ficamos loucos dia após dia tentando controlar a bendita turma, porém sem muitos sucessos. Não conseguimos entender que é impossível controlar tudo. Enfim, no outro dia vamos entrar nessa sala de aula novamente com uma nova didática a fim de obtermos esse controle nem que seja “momentâneo”, mesmo que saibamos que é ilusório e mentiroso, pois na sala de aula do coração quem recebe a nota vermelha na prova é o professor, sempre.

Friday, June 06, 2008

História de Cachorro vira-lata



Fugido do abrigo para cães, o jovem cachorrinho foi buscar conhecer o mundo, porém não imaginava o quão difícil seria para enfrentá-lo. Afinal de contas, ele não era um cachorro que se contentava em morar em abrigos! Quando ele estava lá, sempre dizia aos outros:
- Um dia conseguirei sair daqui. Vou para a cidade e serei feliz.
Quando suspirava essas palavras, os outros cães latiam caçoando dele, ou fingiam que acreditava em suas palavras.
Porque aquele cachorro nunca havia colocado as patas na rua. Ele nasceu no abrigo, jamais sobreviveria na rua sozinho. Porém, o grande dia chegou, ele finalmente teve coragem e fugiu, mas essa escolha custou-lhe caro. Mas, caminhou naquele dia feliz! Com aquele “ar” de liberdade. O seu destino, era a cidade, onde ele achava que conheceria diversos lugares, cachorrinhas bonitas, e o melhor... um dono que o valorizasse.
Quando o cachorro vira-lata chegou à cidade... ele descobriu a fome. Teve que caçar, ou melhor, fuçar os alimentos que encontrava. Ficou triste diversas vezes, se sentiu sozinho, mas não desistiu. Caminhava e observava de longe os lugares, pois não conseguia entrar, já que as pessoas sempre o enxotavam, xingavam e maltratavam o pobre cachorro.
Depois de um tempo ele conheceu uns cachorros de raça. A maioria era esnobe, mas alguns “prestavam”. E, contavam ao jovem vira-lata onde eles moravam, como viviam, o que comiam e, para onde passeavam. Alguns eram até estudados! Por causa dessas amizades ele finalmente conseguiu conhecer uns lugares legais, entretanto, ele se sentia mal por sua vida ser tão distante da vida deles. Enquanto os outros voltavam para os seus apartamentos luxuosos, ele voltava para a sua caixa de papelão.
Esse cachorro vira-lata até era esperto, apesar disso, ninguém o queria. As cachorrinhas de raça nem olhavam para ele, e ele já morava na cidade há algum tempo, conheceu alguns bons lugares, chegou até a comer umas comidas legais (restos de comida de restaurante chique), aprendeu uns truques com os coleguinhas de raça, apesar disso, elas não olhavam para ele, virava o focinho para o lado. Não apenas elas, mas a maioria desses cachorros. Por que? Simples... mesmo que ele tentasse viver nesse meio, ele nunca deixou de ser um cachorro vira-lata. Mesmo que um dia, ele consiga ser adotado... tomar um bom banho, tirar as sarnas, as pulgas que tanto o incomodavam, colocar um perfume, uma coleira e uma boa gravatinha... Ele nunca deixará de ser um “cachorro vira-lata”.

Sunday, May 25, 2008

Everything I Do

Artist: Bryan Adams Lyrics
Song: (Everything I Do) I Do It For You Lyrics


Look into my eyes - you will see
What you mean to me
Search your heart - search your soul
And when you find me there you'll search no more

Don't tell me it's not worth tryin' for
You can't tell me it's not worth dyin' for
You know it's true
Everything I do - I do it for you

Look into your heart - you will find
There's nothin' there to hide
Take me as I am - take my life
I would give it all - I would sacrifice

Don't tell me it's not worth fightin' for
I can't help it - there's nothin' I want more
Ya know it's true
Everything I do - I do it for you

There's no love - like your love
And no other - could give more love
There's nowhere - unless you're there
All the time - all the way

Oh - you can't tell me it's not worth tryin' for
I can't help it - there's nothin' I want more
I would fight for you - I'd lie for you
Walk the wire for you - ya I'd die for you

Ya know it's true
Everything I do - I do it for you

Eis aqui a música romântica mais bela que não me canso de ouvir. Choro e tudo! Afinal de contas, quantas vezes alguém ouviu: “Everything I do. I do it for you”. Eu nunca! A melodia, a letra e a voz de Bryan Adams fazem a música se tornar perfeita. Se você pensou: Ah, ela está apaixonada por isso está chorando ao ouvir essa música! Está enganado. Gostaria de estar apaixonada e ser correspondida, é claro, mas não estou. E, não preciso estar apaixonada para chorar com uma música como essa. Sou somente uma garota esperando por alguém que me diga: Everything I do. I do it for you...

Magia do Beijo

Estudos recentes afirmam: Beijos podem enviar informações significativas sobre as condições presentes e futuras de uma relação amorosa. Muitos psicólogos garantem que, se o primeiro beijo não for considerado agradável e prazeroso para os dois envolvidos, dificilmente o relacionamento evoluirá. Alguns cientistas acreditam que a união dos lábios evoluiu porque facilita a seleção de parceiros. “ O beijo envolve uma troca bem complicada de informações – olfativa, tátil e ajustes de postura”. Beijar pode revelar até que ponto o outro está disposto a se comprometer na relação. Esse comprometimento significa, em alguns casos, a predisposição para estabelecer parcerias, aprofundar o grau de confiança e até mesmo a intenção de criar filhos – uma questão crucial para a sobrevivência da espécie.

(Revista Mente Cérebro. Scientific American, mês de maio)

Matéria muito interessante ao meu ver! Uma visão darwiniana sobre o beijo. Afinal de contas, tuuuudo é seleção natural! Depois dessa matéria será impossível não depositar uma certa importância a essa “peça” do quebra cabeça de uma relação amorosa. E, ultimamente que eu me lembre, não beijei ninguém que tenha me enviado informações químicas com a mensagem: “Estou disposto a me comprometer”. Interessante, não? E, tem mais:

O ósculo, termo científico para beijo, ativa no organismo uma sucessão de mensagens químicas e aciona sofisticados mecanismos neurológicos inconsciente, permitindo às pessoas determinar subjetivamente até que grau elas são geneticamente incompatíveis.

Ósculo? Ai, ai... perde todo o romantismo. Já pensou: - Amor, vamos nos oscular? E, seguido de... estou louca para copular com você mais tarde! Ui, eu sou bióloga, mas isso é pegar pesado!

Entretanto, gostei desse “lance” de determinar até que grau somos geneticamente incompatíveis. Frizem bem: incompatíveis, ou seja, é muito mais fácil ser incompatível do que compatível. Bom, as minhas experiências em ósculos, ou foram incompatíveis ou não cheguei a conclusão alguma. Será que vou ter que beijar novamente para confirmar?


Mensageiros químicos silenciosos chamados feromônios podem ter acelerado a evolução do beijo “íntimo”. Muitos animais e plantas usam os feromônios para se comunicar com outros membros da mesma espécie. Se os seres humanos detectam feromônios ou não, é assunto controverso. No entanto, a bióloga Sarah Wood, sugere que podemos captar feromônios pelo sistema olfativo. Segundo ela, a comunicação química inconsciente explicaria descobertas curiosas, como a atração por mulheres pelo cheiro da camiseta usada por homens cujo sistema imunológico é geneticamente compatível com o delas.


[Pausa para um comentário] Cheiro da camiseta usada por homens? Adoooooro esse cheiro e não precisamos ser geneticamente compatíveis! Por favor, me dêem outra dica para encontrar o meu parceiro geneticamente compatível porque essa para mim não adianta muito não!

Concluindo,


Os lábios humanos possuem a camada mais fina da pele do corpo humano e estão entre as áreas corporais em que se encontram as maiores concentrações de receptores e transmissores sensoriais. Quando beijamos, as células da língua e de outras regiões da boca disparam mensagens para o cérebro e para o corpo, provocando emoções e reações físicas intensas. Beijar desencadeia um coquetel de substâncias químicas que governam o stress, a motivação, as relações sociais e a estimulação sexual. Na medida em que o beijo está ligado à afetividade, pode aumentar a produção de substâncias químicas do cérebro associadas ao prazer, à euforia e à motivação para estabelecer ligações específicas.


Resumindo a historinha científica... Beijar é muito bom!

Friday, May 16, 2008

Coppélia

Essa semana assisti no DVD outro ballet e, foi a vez de Coppélia! Um ballet bem diferente dos demais, apesar da dança não ser tão graciosa mas é bem criativa, já que seus movimentos são bem diferenciados! Bom, só os de Coppélia que é a primeira bailarina pois, ela tem os movimentos bem "quadrados" em comparação com o ballet que nós conhecemos por isso eu os achei um tanto "grosseiro" mas, Swanilda que é a segunda bailarina dança muito bem! Essa peça não possui movimentos difíceis ou surpreendentes como o Lago dos Cisnes e, é bem curtinho, mas vale a pena assistir. O vídeo que eu coloquei do YouTube é da Swanilda e seu noivo, e o Doutor Coppelius está na varanda com a sua boneca Coppélia. ***Não achei nenhuma no Youtube de uma boa bailarina que represente a Coppélia!!!
A história é bem bonitinha!!! Aí vai:

Sinopse

As personagens principais são: o Doutor Coppelius, Swanilda e Franz. A acção decorre na aldeia de Cracóvia, na Polónia.

Ato I

Swanilda, a jovem mais bonita da aldeia, está noiva de Franz.

Certo dia ele fica encantado por uma moça que todas as tardes dedica-se à leitura na janela da casa do Doutor Coppelius, um velho que fabrica brinquedos e com uma reputação de bruxo. Ele faz de tudo para chamar a atenção dela: a chama para descer, convida-a para dançar, manda beijos, mas não obtém reação. Swanilda os flagra e promete vingar-se. Ela acaba por interrogar Franz sobre o acontecido, durante uma discussão.

Muda a cena. Na praça, os camponeses estão a dançar a mazurca enquanto Swanilda e Franz fazem um encontro forçado pelos amigos. Swanilda diz não ouvir o barulho de seu trigo, mas ele insiste que ouve, o que significaria a harmonização do amor entre o casal.

Os jovens e Franz decidem fazer uma brincadeira com doutor Coppelius, na qual sua chave fica caída no chão e Swanilda e suas amigas pegam-na e entram na casa do Doutor coppelius.

Ato II

Interior da casa do dr. Coppelius.

Swanilda descobre que Coppelia, a tal moça dedicada à leitura, na realidade é uma boneca. Nesse momento, o dr. Coppelius entra e flagra as moças, que fogem, mas Swanilda permanece escondida na varanda de Coppelia e resolve vestir sua roupa e fingir ser a boneca. Varios bonecos e bonecas dançam: escocesas, espanholas, arlequins, etc.

Doutor coppelius, intencionando insuflar vida a Coppelia e não percebendo ser Swanilda, começa a realizar mágicas. Pensa ter conseguido quando Swanilda dança, mas ao teimar com o velho e mexer nos bonecos, é mandada para a varanda de volta.

Franz invade a casa atrás de Coppelia e swanilda e ele se encontram. Tanto Franz quanto doutor coppelius descobrem a verdade.

Ato III

Na aldeia, celebra-se o casamento de Swanilda e Franz. Após a noiva jogar o buquê, o Dr. Coppelius aparece se queixando da destruição de seus bonecos. Os noivos lhe dão então o dote de Swanilda como indenização. Ele vai embora satisfeito. Os noivos e depois todos os convidados dançam, finalizando a peça.




Friday, May 09, 2008

Espiritinhas


Retirado do blog http://espitirinhas.blogspot.com. Muito criativo este site, mas somente espíritas mesmo para achar as tirinhas engraçadinhas.

Monday, May 05, 2008

Sobre Livros XX

Faz bastante tempo que não leio um livro de romance... Ultimamente, não tenho tido muito tempo livre já que estou em época de monografia, então o pouco tempo que me sobra procuro tentar concluir esta bendita! Enfim, quando leio um livro é sempre sobre a minha monografia, conclusão, estou sentindo falta de ler um romance. Mas não posso! Não tenho tempo disponível para isso. Final de semana? Não! Tenho que estudar, estudar e estudar. Desculpismo? Pode ser... Tem um lado bom disso tudo... quando vem aquela ansiedade de ler um romance eu penso: -- Você não tem tempo para isso! Monografia está adiantada? Então estude para o concurso do final do ano. Não agüenta mais os mesmos assuntos? Então estude para o mestrado do ano que vem. Enfim, sempre tem um livro acadêmico que precisa ser lido. Lendo todos esses livros frios, esqueço os romances, ou pelo menos eu tento. Confesso que numa noite de sábado, eu não gostaria de estar lendo um livro de biologia. Mas, são os que eu tenho na minha prateleira...

Sunday, May 04, 2008

Romeo & Juliet

Mais uma vez...Ballet da semana "Romeo & Juliet". Bom, a história acredito que todos a conheçam muito bem! Então, vou relatar um pouco sobre a história do ballet Romeo & Juliet.Mais ou menos no minuto 4 tem o melhor ballet (que é a música de Juliet) com a melhor e mais linda música de Prokofiev. É de chorar...


(...)
Em 1935 Sergei Prokofiev compôs a primeira versão do balé Romeu e Julieta, por encomenda feita pelo famoso Teatro Kirov de Leningrado em 1934. O compositor observou fidelidade total ao argumento de Shakespeare, o que desagradou à direção do Teatro. A duração de três horas da obra e o fato de Prokofiev negar-se a compor uma música nos moldes tradicionais e a dar à história um “final feliz”, fez com que o Kirov recusasse o balé. O Balé Bolshoi interessou-se pela obra que, posteriormente, considerou-a “indançável”. A obra estreou somente em 1938 com o o Ballet de Brno. O espetáculo foi montado por seu Diretor Artístico, I. V. Psota, que também dançou o papel de Romeu, tendo a bailarina Zora Semberova interpretado Julieta. A estréia foi um absoluto sucesso, fazendo com que o Ballet Kirov e o Ballet Bolshoi o incluíssem em seus repertórios posteriormente.

A estrutura original da obra, quem tem aproximadamente três horas de duração, é dividida em quatro atos e dez quadros, seguindo fielmente o roteiro da obra de Shakespeare.

A partir da partitura original, Prokofiev fez três suítes para orquestra, que conservam a unidade e a beleza da do balé completo. Tanto a obra na íntegra quanto as suítes são consideradas composições extremamente importantes dentro do gênero. Isso faz com que a obra faça parte dos programas dos grandes teatros, tanto em sua forma sinfônica quanto sua forma coreográfica.

Apesar do compositor já contar com mais de 43 anos quando compôs o balé, a obra é repleta de uma jovialidade ímpar. Nela pode-se sentir a ousadia imatura de seus personagens, o andamento gracioso de suas danças e paixão frenética dos protagonistas adolescentes, em contraponto com a intransigência os ódios e rancores dos personagens paternos. No balé Romeu e Julieta o gênio de Shakespeare associado ao de Prokofiev nos conduz a um paradoxal estado de tensão associado à beleza da música que envolve a tragédia.

Friday, May 02, 2008

Isso me preocupa...

Hoje percebi que todas as escolhas que tomei e objetivos que pretendo seguir são motivados pelos meus sentimentos, sendo eles de diversas naturezas. Eu não consigo agir “friamente”. Sejam escolhas profissionais, pessoais ou características psicológicas. Se, sou uma pessoa espírita é pelo fato de amar a doutrina. Se, sou uma pessoa vegetariana é pelo fato de amar a causa. Se, escolhi cursar a biologia é pelo fato de amar este conhecimento. Se, sou professora é pelo fato de amar o magistério. Se, sou uma completa admiradora da arte é pelo fato de amá-la intensamente. Sou uma pessoa impulsiva de fato, movida exclusivamente por sentimentos. Desejos, ódios, alegrias, amores, tristezas, paixões ou esperanças. Não importa! Toda a minha louca vida foi impulsionada por diversos destes sentimentos. Tenho essa personalidade forte por culpa de ter sentimentos sempre exagerados. Tudo que eu faço é sempre com esses sentimentos exagerados. E isso me preocupa... Tenho vários sonhos... Sou uma pessoa sonhadora demais e, não consigo deixar de ser. O que tudo isso me preocupa? Simples...Se um dia eu deixar de possuir grandes sentimentos de amor e paixão acerca dos meus sonhos, vou perder todo o desejo de concluí-los. Seria como se eu morresse por dentro... Não existirão sonhos nem o menor resquício de lutar por eles... Porque não terão porquês. Seria como uma concha vazia... sem vida... incapaz de produzir uma pequena e única pérola... jogada na imensidão do mar...

Pássaros Apaixonados

Sunday, April 27, 2008

Pássaro de Fogo

Agora o ballet da semana é "Passaro de fogo" ... entusiasmante e uma dança bem ousada ao som de Igor Strawinsky, um dos melhores compositores de música clássica do século XX.



Pássaro de Fogo, de Stravinsky, satiriza a gênese bíblica de forma a identificar o "castigo divino" com a moderna sociedade consumista.

Friday, April 25, 2008

Esses tais momentos...


Hoje, a melancolia bateu em minha porta e eu sem hesitar abri. Já não sei mais porquê faço isso, mas agora pouco me importa, pois ela já está aqui ao meu lado me fazendo uma triste visita. Essa visita me fez relembrar inúmeros sentimentos que já vivi ao longo de minha pequena vida. E, dentre tantos sentimentos que me rodeiam a alma, lembrei de um sentimento muito importante mas que pouco se fez presente, diferentemente desta visita que tenho agora. Lembrei-me do sentimento da alegria! Não dessas alegrias mascaradas que observamos por aí, mas da verdadeira alegria. Daquela sensação nostálgica que temos por breves momentos de nossas vidas em que parece que o tempo passou mais devagar e ainda sentimos o nosso espírito em perfeita harmonia, completo...

Fiz uma viagem no tempo desta minha vida atual...Minha primeira recordação mais remota foi quando ganhei meu primeiro gato! Ele era tão branquinho! Aliás, quando trouxe para casa cada gatinho meu, sempre foi motivo de alegria! Em seguida, foi quando ganhei meu primeiro troféu como dançarina...Nesse dia, recordo-me do rosto de felicidade estampado na face de minha doce mãezinha. E, eu olhava para aquele troféu e pensava: _ Eu consegui! E, sem poder esquecer...o momento em que ganhei meu tão almejado vídeo-game! uau! eu pulava de alegria! Enfim, coisas de criança! Vamos mudar então para a adolescência! O que marcou de felicidade a minha adolescência não foi o primeiro beijo, nem o primeiro namorado nem tampouco a primeira transa, mas sim, quando finalmente saí de casa. Afinal de contas, eu ainda era uma menina adolescente querendo brincar de gente grande. Esse momento de felicidade aconteceu dias depois, quando me "dei conta disso", foi quando finalmente meu coração se alivou e... alegrou-se.

Ah, não posso esquecer de quando fiz 18 anos. Foi um momento especial, entretanto, não era porque eu estava fazendo dezoito anos mas sim, porque os meus amigos do centro espírita na qual eu frequentava me deram um lindo presente...Uma festa surpresa! uau...eu realmente não esperava... foi surpresa mesmo! Foi a primeira vez, que me senti querida por tantas pessoas. Lembro-me das minhas lágrimas de alegria! Ainda na adolescência, outro momento inesquecível foi a minha primeira COMEERJ. Um dos dias mais incríveis da minha vida aconteceu especificamente no último dia de COMEERJ. Afinal, tinha que ser o último dia! E...mais choros...

Pulando para a minha vida adulta...acho que já posso me considerar uma mulher, né? Enfim, um outro momento que merece ser declarado aqui, foi no ano passado quando minha melhor amiga fez uma festinha surpresa para mim! Como alguém consegue ser tão doce assim? Isso me impressiona demais! Já perceberam que eu adoro uma festinha surpresa, rsrsrs.

Uhm...este momento foi muito especial, e não tem muito tempo! Foi no dia 10 de fevereiro deste ano quando peguei a chave do meu apartamento (só para ratificar, é alugado, ok?), esse momento foi mais forte quando coloquei meus pés nele....e, pensei: _ Finalmente, morando sozinha e independente! Aaahhh...desta vez, contive minhas lágrimas.

A última sensação que tive, foi há pouquíssimo tempo, exatamente no dia 16 de abril deste ano às 22:00 horas, pois foi quando me dei conta que estava vestida de beca e a minha colação de grau havia finalizado. Uau...que momento! Nessa, eu chorei mesmo!

Agora, estou refletindo tudo isso e, pensando...quando será que terei um momento como esses novamente???

Uma conclusão consegui tirar... quando se tem uma vida marcada por muitas tristezas, aprendemos a valorizar esses pequenos momentos especiais de pura felicidade!

Acho que já está na hora de dizer tchau para a minha visita! Pelo menos, por hoje já basta...

Sunday, April 20, 2008

Lago dos Cisnes

O ballet da semana é o Lago dos Cisnes...um dos meus preferidos...fico na dúvida entre esse ou Romeo & Juliet... Apesar de preferir a música que Prokofjev fez para Juliet... Bom, escolhi uma das melhores partes do ballet...

Sinopse

Primeiro Ato

Cena 1

Pátio do Palácio

Dia do vigésimo primeiro aniversário do Príncipe Siegfried. Nos jardins do palácio os amigos se reúnem para felicitá-lo. Clima de alegria geral; todos dançam. Destaque para o solo do Bobo da Corte. Chega a Rainha e presenteia o filho com uma besta. Lembra-o de suas responsabilidades, agora que atingiu a maioridade; entre elas a de escolher uma noiva. A Rainha se retira anunciando que na noite seguinte haverá um baile, oportunidade em que o Príncipe apresentará sua eleita. Cai a noite e Siegfried sai com os amigos para uma caçada.

Cena 2

Às margens de um lago iluminado pelo luar

Siegfried entra à frente dos caçadores, mas pede que o deixem sozinho. Subitamente aproxima-se um belo cisne. Ele ergue a besta e faz pontaria. Para sua surpresa, a ave se transforma numa bela jovem que se apresenta como a Princesa Odette. Conta-lhe que ela e suas amigas foram vítimas de um encantamento do feiticeiro Von Rothbart, que as transformou em cisnes. Somente à noite elas podem assumir a forma humana, ainda assim, sob severa vigilância do mago. Odette diz ao Príncipe que o feitiço só pode ser quebrado por um rapaz que nunca tenha sido comprometido e que lhe jure eterno amor. Apaixonado, Siegfried ergue os dedos e faz a jura.

Quando Rothbart entra, Odette implora que ele não faça mal ao Príncipe. Dança geral dos cisnes, com destaque para o famoso Pas de quatre dos cisnezinhos. Odette lembra a Siegfried do baile do dia seguinte, prevenindo-o de que Rothbart tentará de tudo para fazê-lo romper o juramento. O Príncipe a tranqüiliza. Odette e os cisnes se vão. Siegfried fica só e perdidamente apaixonado.

Segundo Ato

O baile

Todos aguardam o momento em que o Príncipe escolherá sua noiva. Entram os convidados e as princesas pretendentes, uma de cada país: Hungria, Rússia, Espanha, Itália e Polônia. Elas são anunciadas por danças características de seus países. O Príncipe dança com todas, mas vê-se que seu coração está bem distante. Surgem inesperadamente Rothbart - logicamente disfarçado - e Odile. Ele enfeitiça o Príncipe, que confunde a bela jovem com sua amada Odette. O casal sai de cena. Seguem-se várias danças, até que os dois voltam e dançam o famoso pas de deux do Cisne Negro. Siegfried declara seu amor pela jovem e Rothbart faz com que ele jure. Surge uma visão de Odette e o Príncipe percebe que foi iludido. Rothbart está vitorioso. Em desespero, Siegfried sai no encalço de Odette.

Terceiro Ato

Mesmo lago do 2º ato

É noite. As jovens cisnes sob encanto dançam tristemente. Abatida, Odette prepara-se para enfrentar a morte. Siegfried a encontra, explica o engano e pede-lhe perdão. As jovens ficam assustadas com a tempestade provocada por Von Rothbart. Siegfried protege Odette e comunica-lhe sua decisão de morrer com ela. A entrega pura do Príncipe quebra o sortilégio. Fim da tempestade. Siegfried e Rothbart lutam. Enfraquecido, o feiticeiro morre. Surge a aurora. As jovens, livres do encanto, não são mais cisnes. Vitória final do amor!

Monday, April 14, 2008

Entre gorduras e sentimentos

Bastante amido com uma capa considerável de gordura...sim! é exatamente isso que eu preciso num dia como este! Batatinhas gordurosas para agora... sanduíche com maionese, ovo frito, queijo, ketchup e hambúrguer de soja para depois. Tudo bem que é soja... mas no meio de tanta porcaria esse “natureba” não faz a menor diferença. Eu quero agora essa combinação maravilhosa de porcarias que com certeza irá me causar algum mal fisiológico mais tarde...enfim, mas nada se compara a um outro mal que está me matando mais rápido que essa gordura de hoje... É o mal do amor, ou melhor, da falta de amor! Enquanto a gordura se acumula nos meus vasos sanguíneos, essa falta de amor se acumula nos cantinhos do meu coração. Preenchendo, cada vez mais rápido cada pequeno espaço desse meu órgão tão precioso! Bom, pelo menos se um dia eu precisar me tratar por causa da gordura, não será difícil. Nada que uma boa dieta e uns remédios ajudem! Agora essa falta de amor....não tem remédio não! E nem dieta que resolva! Impressionante! Não me digam que comer chocolate melhora, porque já tentei, aliás...Já tentei várias coisas! O chocolate é só uma compulsão inicial que depois enjoa...como eu não gosto muito de doces, então perde logo a graça! O outro remédio que dizem por aí (isso no caso das mulheres) é fazer compras de roupas. Nhé... também não funcionou comigo, uma vez que não sou consumista, acho um “porre” ir comprar roupas, só acho graça quando elas já estão no meu armário, ou seja, quando eu não tive o menor trabalho de ir lá, escolher, experimentar, comprar, carregar, blá, blá, blá! E eu nem tenho dinheiro para ficar gastando com isso. Antes, eu tinha inventado um remédio que me ajudou por um bom tempo! Ficava baixando várias séries americanas e as assistia por horas! Heroes, Charmed, Gilmore Girls, Monk, desenhos animados, entre outros. Era legal porque nas horas em que assistia eu nem lembrava que estava sentindo dores. Depois foi cansando... e fui percebendo a dor... Até que, antes de me cansar por completo, eu me mudei e agora aqui em casa não tem Internet, daí larguei de vez essa medicação que me foi tão eficaz por falta de recursos. Outra solução paliativa que inventei foi comprar livros. Adoro livrarias e fico lá escolhendo maior tempão, foliando, lendo o prefácio, e se gostar eu compro. Ah, aquele cheirinho de livro novo me deixa louca! Levo para casa feliz e contente, e ainda quando compro pela Internet fico contando os dias para a entrega super ansiosa. Mas, como eu disse, é paliativa! Nas primeiras duas horas perde logo a graça. Por mais que eu ame livros eu nunca vou ficar o dia inteiro lendo um livro, então nas horas vagas me dá aquela dorzinha novamente proveniente da falta de amor. E, pior que sempre penso: - Será que o próximo livro irá sanar essa dor? Será que vai me curar dessa doença tão entranhada no meu coração? Quem sabe...

Agora inventei outra, estudar, estudar e estudar... Infelizmente, não está funcionando muito não...mas não custa tentar, já que eu não tenho nadinha em mente que possa me ajudar! Puxa! Eu só queria achar um remedinho que diminuísse ao máximo essa dor ou pelo menos regredisse o dano que já causou no meu coração. Já que o meu coração só vai ser curado se um dia eu encontrar esse tal remédio que se chama “amor”!

Friday, March 14, 2008

Cupido


Sabe aqueles momentos que a sua imaginação te surpreende? Isso acontece diversas vezes na minha cabeça. Dessa vez, fiquei imaginando se existiria um “cupido”. Não daqueles que se imaginam... Digamos que seria um “espírito encarregado de tal função amorosa”, na verdade seriam vários espíritos, já que a demanda seria muito grande. :)
Imagino que ele saberia quais as pessoas que deveríamos nos relacionar, seja por experiência, aprendizado, divertimento, troca de afeto ou pelo verdadeiro amor. Ele teria um grande trabalho para conseguir fazer tudo acontecer no seu devido tempo e lugar e acionaria aquele fator “destino” que nós conhecemos muito bem para ambos se encontrarem. Imagino também, que ele teria uma lista da ordem das pessoas que deveríamos conhecer, tudo nos mínimos detalhes...Um trabalho bem digno!
Acredito que esse cupido seria aquela voz que surge na nossa mente dizendo: Vai! Liga logo! E, você fica parado em frente ao telefone...enquanto aquela voz não pára... Talvez ele também seja o responsável pela droga do seu coração acelerar em certos momentos ou da sua face se tornar em um tom um tanto rubro! Enfim, são tantos os efeitos que um relacionamento amoroso causa na gente que eu seria incapaz de relacioná-los aqui.
Ah! Também acredito que cada cupido deva ser encarregado de algumas pessoas. Sei lá! Talvez umas cinco pessoas... Ele deve ter uma listinha de pessoas que ele precisa cuidar e esse pequeno papel também teria que conter a palavra FIM quando chegar na última pessoa. E ele diria: - Ufa! Eu consegui fazer um bom trabalho!
E, quando se tratar do “verdadeiro amor” ele se dedicaria muito mais! Talvez fizesse até horas extras, só para se certificar que tudo ocorreria perfeito. Choraria no final de tamanha emoção... Tudo seria muito lindo...
(...)
Ultimamente algo me preocupa...Acho que o meu cupido perdeu a minha lista! Isso é um acontecimento extremamente sério. Eu concluí isso porque me sinto um tanto perdida. Tenho medo que meu cupido não tenha se “dado conta” do seu esquecimento! Será que ele perdeu na rua? No meio de sua papelada? Ou será que ele simplesmente é desorganizado?
Nossa! Isso é sério! Será que um outro cupido poderia me ajudar ou isso romperia com o código de exclusividade de cupidos? Não sei o que fazer já que não conseguimos falar com os cupidos, ou pelo menos, não eu! Como ele deve ter perdido a minha lista, acredito que ele nem esteja me visitando! O pior é que isso pode causar uma completa desorganização no processo! Posso me relacionar com pessoas que não deveria... já que está somente por minha conta... E, ainda o pior dos piores... Nunca encontraria o meu verdadeiro amor que tanto espero!
Bom... Sei que é difícil, mas...Não custa tentar... É um caso de VIDA OU DEPRESSÃO!

Alguém viu o meu cupido por aí???

Sunday, March 09, 2008

Sobre Livros XIX

Um novo livro me despertou um completo interesse! Um lindo livro! Ainda não comecei a lê-lo, estou apenas o admirando pelas vitrines, já que ainda não tomei a iniciativa de comprá-lo. Mas, eu vou criar coragem... eu quero lê-lo... muito.... E, ele merece ser admirado!
That's it

Monday, March 03, 2008

A valsa de quem não tem amor


João Gilberto



B7/9- E-7/9 E-7
tão só sem ter ninguém

D6/9
minha imaginação destrói meu coração

G#° F#7/5+ G-7
de viver na ilusão de um dia amar alguém

D6/9 D7/+9 F#-7/5-
Nessa imensa solidão a minha confessão

B7/9- E-7/9
recorra tristemente

E-7 A7 F° F#7/5+ B7/5+
cantarei sozinho imerso em minha dor

E-7/9 G-7 D6/9
a valsa de quem não tem amor