Sunday, October 07, 2007

Sobre Livros XVII

Eis aqui um pouco de descrição de um novo livro que resolvi ler. Esse livro me atraiu muito rapidamente, não sei explicar ao certo o porquê. A primeira vez que o vi fiquei admirando sua capa, depois virei o livro e li o resumo de sua fascinante história. Mas não pude comprá-lo, então ficou apenas na admiração. Meses se passaram, até que precisei ler sua história e, adorei! Não foi o que eu esperava, foi melhor. Não que eu não tenha dado "crédito" ao livro, mas é que ultimamente não tenho desfrutado de boas leituras e, essa não foi uma boa leitura e sim, ótima!
No primeiro capítulo já me senti envolvida com a história como se eu já tivesse na metade do livro. O autor iniciou esse capítulo de uma forma tão simples e bela, sem mistérios, sem mentiras ou omissões. Nesse conto... apenas dois personagens...
O que dizer das palavras que já li... Teve momentos que sua leitura me roubou risos; tive admiração; surgiram curiosidades; vontade de conhecer mais; quis estudar os personagens; desejei fazer parte de sua história.
Eu sei que parece loucura da minha parte mas....É como se eu tivesse a intuição de que essa história será incrivelmente bela e ainda me surpreenderá muito.

Wednesday, October 03, 2007

Horizonte



Eu estava na costa,
admirando aquele oceano
com o seu incandescente brilho
e todo o seu encanto

Assim de repente
um desejo surgiu
Conhecer o outro lado da costa
que meu horizonte nunca viu

Foi assim...

Quando me atirei naquele mar
Deixando tudo para trás
sem perceber que de lá
não tem como se salvar

Porque o mar é extenso,
É infinitamente profundo,
É incontrolavelmente frio
E sempre estará sozinho...

Não sei se consigo nadar
Não sei se irei me afogar
Não sei se alguém irá me resgatar
Mas sei, que preciso continuar...

Por causa de uma sonhada miragem desse mar
Enfrentei-o sem pensar
E, no meio dos intempéries que ei de passar
Espero um amor para me confortar...



Gatos

Adriana Calcanhoto

Gato Pensa?
Dizem que gato não pensa
Mas é difícil de crer.
Já que ele também não fala
Como é que se vai saber?

A verdade é que o Gatinho,
Quando mija na almofada,
Vai depressa se esconder:
Sabe que fez coisa errada.

E se a comida está quente,
Ele, antes de comer,
Muito calculadamente,
Toca com a pata pra ver.

Só quando a temperatura
Da comida está normal,
Vem ele e come afinal.

E você pode explicar
Como é que ele sabia
Que ela ia esfriar?

O Gato e a Pulga

A gente cata o Gatinho
Mas pulga custa a acabar
Por isso de vez em quando
Ele tem que se coçar

Ele se coça e depois
- coisa que nunca se viu –
fica olhando para o chão
pra ver se a pulga caiu.

Se a pulga caiu de fato
- ela nem conta até três -
dá um salto mortal no ar
e pula nele outra vez.